Se até alguns anos atrás a importância da Internet não era palpável, isso já não é mais uma realidade. O mundo virtual, hoje, reproduz de maneira concreta a sociedade real, inclusive as disputas políticas e eleitorais… Mas, o que isso quer, de fato, dizer? Quer dizer que, mesmo que você não veja, existe uma rede que conecta as pessoas não só ao redor do mundo, principalmente de uma mesma região, entre si e os candidatos que se fizerem presentes nessa rede podem, com apenas um clique, uma publicação, um texto ou uma foto, alcançar os seus eleitores internautas em apenas um segundo!

Segundo a última pesquisa IBOBE Nielsen, sobre o total de pessoas com acesso à internet em qualquer ambiente (domicílios, trabalho, escolas, lan houses ou outros locais) no Brasil, estima-se que 82,4 milhões de eleitores brasileiros estiveram conectados à rede em 2012. Se você considerar que cada um deles gasta em torno de 60 horas mensais em frente a um computador, conectado à Internet, não é difícil identificar que o custo-beneficio de uma campanha eleitoral na internet é incalculável. Ninguém aqui defende que a Internet vá substituir as campanhas tradicionais. Pelo contrário, são complementares e, se utilizadas de maneira consciente, podem agregar ainda mais gente em torno de um mesmo ideal e qualificar o debate politico que leva à decisão do voto.

Se mesmo assim você ainda estiver se perguntando: “Mas porque diabos eu, como candidato, estaria interessado ou deveria investir em uma campanha na Internet”? A resposta mais direta é: você ate poderia gastar toda a sua verba com santinhos ou com um rapaz que ficasse o dia inteiro panfletando, segurando uma bandeira na praça da sua cidade… Mas quantos eleitores alcançaria com apenas isso? Qual a garantia de que a materialidade do papel do santinho ou do cabo eleitoral atingiria mais pessoas do que todas as multimídias que uma boa campanha digital disponibiliza (audiovisual capaz de expandir a pequena exposição no tempo de TV e Rádio), com o potencial de mobilizar muito mais gente, por um custo muito menor, e em um período muito mais curto?

Tenha sempre em mente: as redes sociais a cada dia se tornam extensão das praças públicas, o website faz as vezes de comitê virtual e os militantes de sua campanha se fazem presentes on-line, muitas vezes mais presentes que os que se vê nas ruas.